segunda-feira, 30 de maio de 2016

Indicação da semana: North


Inovação, altruísmo, criatividade e disposição qualificam o grupo formado por Lucas Dodsworth Magnavita (Mithra - vocais e baixo), Brunno Salvatti (Baal - guitarra e backings), Marcelo França (Svarog - bateria) e Henrique Versiani (Versiani - guitarras). O nome North vem de uma lenda finlandesa em que a Aurora Boreal é a cauda de uma raposa que corre no céu. Uma banda nacional da cidade de Belo Horizonte que compõe músicas em inglês no gênero de Heavy Metal Experimental.


O grupo lançou recentemente seu primeiro EP, intitulado “Hermeneutics” A história do álbum fala sobre um apocalipse fictício que ao longo das seis músicas são satirizadas as formações e agrupamentos sociais e a devoração do homem ao divino.


CONTATOS
E-mail: northband2014@gmail.com 

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Lançamentos de 2016: o que vem por ai?

Vejam o que está previsto para ser lançado ainda esse ano!


Maio
Assassin – Combat Cathedral (SPV)
Brutus – Wandering Blind (Svart)
Buffalo Summer – Second Sun (UDR)
Death – Scream Bloody Gore Reissue (Relapse)
Edu Falaschi – Moonlight (Test Your Metal)
First Fragment – Dasein (Unique Leader)
Flotsam and Jetsam – Flotsam and Jetsam (AFM)
Green Death – Manufacturing Evil (EMP)
Gruesome – Dimensions Of Horror EP (Relapse)
In Mourning – Afterglow (Agonia)
Iron Savior – Titancraft (AFM)
Katatonia – The Fall Of Hearts (Peaceville)
Mars Red Sky – Apex III (Praise For The Burning Soul) (Listenable)
Pennywise – Nineteen Eighty Eight (Theologian)
Sanzu – Heavy Over The Home (Listenable)
Saosin – Along The Shadow (Epitaph)
Satyricon – Nemesis Divina 20th Anniversary Edition (Napalm)
Scar Of The Sun – In Flood (Scarlet)
Suidakra – Realms Of Odoric (AFM)
Terrorway – The Second (Bakerteam)
Vardis – Red Eye (SPV)
Virgin Steele – The House Of Atreus Act I & Act II Reissue (SPV)
Weekend Nachos – Apology (Relapse)
Wo Fat – Midnight Cometh (Ripple)
Architects UK – All Our Gods Have Abandoned Us (Epitaph)
Dead Till Dark – Dead Till Dark (Pavement)
Death Angel – The Evil Divide (Nuclear Blast)
Earthless / Harsh Toke – Acid Crusher / Mount Swan Split EP(Tee Pee)
Farflung – 5 (Heavy Psych Sounds)
Frost – Falling Satellites (Inside Out)
Gutter Instinct – Age Of The Fanatics (Prosthetic)
Honky – Corduroy (Housecore)
The Jelly Jam – Profit (Music Theories / Mascot)
Jim Breuer and the Loud & Rowdy – Songs From The Garage (Metal Blade)
Katalepsy – Gravenous Hour (Unique Leader)
Lacuna Coil – Delirium (Century Media)
Mortillery – Shapeshifter (Napalm)
Motorhead – Clean Your Clock CD/DVD (UDR)
Of Mice & Men – Live At Brixton CD/DVD (Rise)
The Order Of Israfel – Red Robes (Napalm)
Paul Gilbert – I Can Destroy (The Orchard)
Perish Lane – Breaking The Metaphor (Pavement)
Pro-Pain – Foul Taste Of Freedom Reissue (SPV)
Pro-Pain – The Truth Hurts Reissue (SPV)
Six Feet Under – Graveyard Classics IV: The Number Of The Priest (Metal Blade)
Suns Of Thyme – Cascades (Napalm)
Thrice – To Be Everywhere Is To Be Nowhere (Vagrant)
Withered – Grief Relic (Season Of Mist)

Junho
Attala – Attala (Shadow Kingdom)
Beartooth – Aggressive (Red Bull)
Candlemass – Death Thy Lover EP (Napalm)
Combichrist – This Is Where Death Begins (Out Of Line)
Cough – Still They Pray (Relapse)
Dark Funeral – Where Shadows Forever Reign (Century Media)
Dark Suns – Everchild (Prophecy)
Diamond Head – Diamond Head (Dissonance)
Die Krupps – Live Im Schatten der Ringe CD/DVD (AFM)
Four By Fate – Relentless (The End)
Heaven’s Cry – Outcast (Prosthetic)
Hellyeah – Unden!able (Eleven Seven)
If These Trees Could Talk – The Bones Of A Dying World (Metal Blade)
Jorn – Heavy Rock Radio (Frontiers)
The Melvins – Basses Loaded (Ipecac)
Nervosa – Agony (Napalm)
Poison Headache – Poison Headache (Metal Blade)
Poverty’s No Crime – Spiral Of Fear (Metalville)
Pro-Pain – Foul Taste Of Freedom (SPV)
The Schoenberg Automaton – Apus (Lifeblood / eOne)
Sleep Of Monsters – Sleep Of Monsters II: Poison Garden (Svart)
Sunn O))) – Nolife: Alive In Moscow 11 August 2015 (Southern Lord)
The Vision Bleak – Timeline: An Introduction To The Vision Bleak (Prophecy)
The Vision Bleak – The Unknown (Prophecy)
Volbeat – Seal the Deal & Let’s Boogie (Republic)
White Zombie – White Zombie: It Came From N.Y.C. Box Set (Numero Group)
Whitford / St. Holmes – Reunion (Mailboat)
Withem – The Unforgiving Road (Frontiers)
Yuth Forever – Skeleton Youth Forever (Prosthetic)
Zombie Ritual / Termination Force – Zombie Termination Split (HPGD)
Astronoid – Air (Blood)
Bat – Wings Of Chains (Hells Headbangers)
Deceased – Fearless Undead Machines Reissue (Transcending Obscurity)
Gozu – Revival (Ripple)
Jaded Heart – Guilty By Design (Massacre)
Letlive – If I’m The Devil… (Epitaph)
Rival Sons – Hollow Bones (Earache)
Saliva – Love, Lies & Therapy (Universal)
Scorpion Child – Acid Roulette (Nuclear Blast)
Sumac – What One Becomes (Thrill Jockey)
Vale Of Pnath – II (Willowtip)
Ayreon – The Theater Equation DVD/CD (Inside Out)
Blut Aus Nord / Aevangelist – Codex Obscura Nomina Split (Debemur Morti)
Converge – You Fail Me: Redux (Epitaph)
Gojira – Magma (Roadrunner)
Hammercult – Legends Never Die EP (SPV)
I See Stars – Treehouse (Sumerian)
Nails – You Will Never Be One Of Us (Nuclear Blast)
Pentagram – First Daze Here Reissue (Relapse)
Pentagram – First Daze Here Too Reissue (Relapse)
Red Hot Chili Peppers – The Getaway (Warner Brothers)
Stitched Up Heart – Never Alone (Another Century)
Swans – The Glowing Man (Young God / Mute)
Unlocking The Truth – Chaos (Tunecore)
Wayfarer – Old Souls (Prosthetic)
Wolves In The Throne – Diadem of 12 Stars Reissue (Artemisia)
Anderson / Stolt – Invention Of Knowledge (Inside Out)
Be’lakor – Vessels (Napalm)
The Browning – Isolation (Spinefarm)
Comet Control – Center Of The Maze (Tee Pee)
Dark Avenger – Tales Of Avalon: The Lament (Scarlet)
Dawn Of Disease – Worship The Grave (Napalm)
Denner / Shermann – Masters Of Evil (Metal Blade)
Earth Ship – Hollowed (Napalm)
Faithsedge – Restoration (Scarlet)
Kayo Dot – Plastic House On Base Of Sky (The Flenser)
Paradox – Pangea (AFM)
Secret Rule – Machination (Scarlet)
Shed The Skin – Harrowing Faith (Hells Headbangers)
Whitechapel – Mark Of The Blade (Metal Blade)

Julho
Chelsea Grin – Self Inflicted (Rise)
Fates Warning – Theories Of Flight (Inside Out)
Pain Of Salvation – Remedy Lane Re:visited (Re:mixced & Re:lived) (Inside Out)
Wolf Hoffmann – Headbangers Symphony (Nuclear Blast)
Asphalt Graves – The New Primitive (Vitriol)
Boris – Pink 10th Anniversary Deluxe Edition (Sargent House)
Defiled – Towards Inevitable Ruin (Season Of Mist)
Frameworks – Smother (Deathwish)
Gone Is Gone – Gone Is Gone (Rise)
Illdisposed – Grey Sky Over Black Town (Massacre)
Inter Arma – Paradise Gallows (Relapse)
Lord Of War – Suffer (Unique Leader)
Mephistopheles – In Reverence Of Forever (Willowtip)
Nonpoint – The Poison Red (Spinefarm)
Semblant – Lunar Manifesto (eOne)
Spellcaster – Night Hides The World (Prosthetic)
Switchfoot – Where The Light Shines Through (Vanguard)
Trick Or Treat – Rabbits’ Hill Pt. 2 (Frontiers)
Wolverine – Machina Viva (Sensory)
9Electric – The Damaged Ones (Another Century)
Blood Red Throne – Union Of Flesh And Machine (Candlelight/Spinefarm)
Castle – Welcome To The Graveyard (Van)
Mos Generator – Abyssinia (Listenable)
One Less Memory – The Memories Univited (Tattooed Millionaire)
Psalm Zero – Stranger To Violence (Profound Lore)
Scour – Scour (Housecore)
The Temperance Movement – White Bear (Fantasy)
Apocalyptica – Plays Metallica By Four Cellos Reissue (Harmageddon)
Black Crown Initiate – Selves We Cannot Forgive (eOne)
Defeated Sanity – Disposal Of The Dead / Dharmata (Willowtip)
Despised Icon – Beast (Nuclear Blast)
Despite – Synergi (Eclipse)
Karmakanic – DOT (Inside Out)
Killing The Messenger – Fuel To The Fire (EMP)
Numenorean – Home (Season Of Mist)
Periphery – Periphery III: Select Difficulty (Sumerian)
Revocation – Great Is Our Sin (Metal Blade)
Witherscape – The Northern Sanctuary (Century Media)
Ringworm- (Relapse)

Agosto
Bloody Hammers – Lovely Sort Of Death (Napalm)
Blues Pills – Lady In Gold (Nuclear Blast)
Carnifex – Slow Death (Nuclear Blast)
Tarja – The Shadow Self (earMusic)
The Pineapple Thief – Your Wilderness (Kscope)
Bayside – Vacancy (Hopeless)
Sabaton – The Last Stand (Nuclear Blast)
Imperium Dekadenz – Dis Manibvs (Season Of Mist)
Inquisition – Bloodshed Across The Empyrean Altar Beyond The Celestial Zenith (Season Of Mist)

Fonte: Loudwire.com

terça-feira, 17 de maio de 2016

Clipes animados

Por Pedro Humangous

É, eu sei. Os bons e velhos tempos de MTV se foram. Na era do Youtube, as bandas continuam apostando - e muito - na divulgação de seus vídeos profissionais. O videoclipe é a melhor forma de apresentarem seus trabalhos, tanto musicalmente quanto visualmente. Separei alguns que resolveram trabalhar seus vídeos em forma de desenho/animação, o que deixou tudo ainda mais interessante! E você, gosta desse estilo? Lembra de algum que deixei de fora? Divirtam-se!





















Mercado nacional: O que poderia ser lançado?

Por Pedro Humangous

Assim como eu, os grandes colecionadores de material físico ficam de olho em tudo que é lançado mundo afora, torcendo para que seja lançada a versão nacional. Afinal, com o valor alto do dólar, taxas de importação e a longa espera acabam desanimando quem pensa em importar. Entendo o esforço das gravadoras de trazerem o possível e principalmente aquilo que é rentável, mas infelizmente muita coisa fica de fora. Não irei listar os importantes lançamentos que jamais chegarão em terras brasileiras, pois a lista seria enorme. Gostaria de focar em três produtos que estão fazendo enorme sucesso lá fora e serve como apelo às gravadoras brasileiras para que pelo menos vejam a possibilidade de trazer esse material pra cá. 

Deathgasm - O Filme


Esse é um filme de 2015 onde dois adolescentes sem querer convocam uma antiga entidade do mal, aprofundando-se em magia negra, ao mesmo tempo em que tentam escapar de suas vidas mundanas. Fã de heavy metal, o garoto problema Brodie forma uma banda chamada DEATHGASM com seus amigos Zakk, Dion e Giles. Quando os rapazes da banda invadem uma casa, descobrem que um de seus ídolos, o músico recluso Rikki Daggers, vive lá. Daggers entrega a eles uma partitura mágica, a qual a banda toca e acaba invocando um poderoso demônio. A banda agora deve achar uma forma de derrotá-lo e retornar a paz à comunidade. Se liga no trailer:


Metalocalypse


Esse a maioria já conhece. Metalocalypse é um desenho animado exibido no Adult Swim criado por Brendon Small e Tommy Blacha. Conta a história da banda fictícia de Death Metal, Dethklok. Dethklok é uma banda que possui um nível de popularidade nunca atingida na realidade, ocupando a sétima colocação no ranking das maiores economias do mundo. Os membros fictícios são Nathan Explosion, Skwisgaar Skwigelf, Pickles The Drummer, William Murderface, e Toki Wartooth. Já estão na quarta temporada nos desenhos e já lançaram 4 álbuns musicais, além de excursionarem com grandes bandas pelos Estados Unidos. Vale mencionar que Gene Hoglan é o baterista nesse projeto.


Olha a intro animal!


Trecho de um episódio:


Vejam o nível de profissionalismo no som dos caras:


Brendon Small, o gênio por trás disso tudo, ainda criou um projeto paralelo chamado Galaktikon, vale a pena ouvir. Pra quem se interessar, a história completa se encontra aqui.


Ainda nesse tema, recomendo por último a Rock Opera chamada Dethklok A Doomstar Requiem - A Klok Opera. Simplesmente fantástico!


Assista completo aqui: 
https://www.youtube.com/watch?v=IgeYpcwq0U8&list=PL6exmqIoGiBxdsq5i_tnZoJIV-LzRAshi


Mr. Pickles


Mr. Pickles é uma série de tv animada, criada por Will Carsola & Dave Stewart para o canal Adult Swim. A série gira em torno da família Goodman e seu cachorro demoníaco, Mr. Pickles. Tommy Goodman, um garoto de 6 anos, e Mr. Pickles passam o dia fazendo travessuras em torno de Old Town em aventuras clássicas. Enquanto isso, sem o conhecimento da família (exceto do avô), Mr. Pickles guarda um segredo pra lá de sombrio. Apesar de não ter saído em DVD/Blu Ray ainda, já estão na segunda temporada. Acho válido negociar e trazer essa pérola para o Brasil. Lá fora já vendem camisetas, brinquedos, patches, etc.

Assista ao primeiro episódio legendado em português:


Se você também curte esse tipo de material, ajude-nos a chegar mais longe e torcer para que esse recado chegue aos responsáveis por lançamentos de material físico no Brasil. Agora é torcer!

domingo, 8 de maio de 2016

Review: Enforcer – Live By The Fire

(Gravadora: Nuclear Blast / Shinigami Records)

Por Pedro Humangous

Muito legal ver essas bandas que surgem “do nada” e ganham os holofotes mundiais. O Enforcer é uma banda sueca muito legal que, despretensiosamente, ganhou o carinho do público headbanger. Não me recordo de ter visto grande publicidade em cima deles, ou seja, conquistaram os fãs na raça. Obviamente, agora com o apoio da Nuclear Blast, sua música chegou muito mais longe e ganhando status de banda grande. E afinal, o que eles têm de tão especial? Na verdade, nada demais. Eles conseguem com maestria reproduzir o bom e velho som dos anos 80, mas com uma pegada jovial, renovada e atraente. Misturam muito bem o Thrash/Speed com o Metal Tradicional da NWOBHM. É um Judas e Iron com energético, mais frenéticos e velozes. Vocais estridentes e agudos na medida certa se misturam com o instrumental afiado e repleto de guitarras gêmeas, criando riffs insanos e memoráveis. O que temos aqui nesse pacote é o CD/DVD gravados ao vivo em diferentes localidades. O CD, gravado em 2013 na cidade de Atenas na Grécia, contém quinze faixas e tem praticamente o mesmo track list do DVD, apenas a faixa “On The Loose” ficou de fora. O DVD foi gravado no mesmo ano, porém na cidade de Tóquio, Japão, e conta com uma apresentação incrível, impecável. Excelente qualidade de áudio e imagem, com uma performance animal de toda a banda, esbanjando energia através das nove faixas. E realmente, se os caras já eram bons nos discos, ao vivo são ainda melhores! E o público japonês não decepcionou, acompanhou o mesmo ritmo dos caras e bateram cabeça do início ao fim! O único ponto fraco da banda são as artes que escolhem para estamparem as capas, em minha opinião, são sempre bem simples e fracas. De qualquer forma, um lançamento fantástico que irá agradar a todos, tanto a galera mais old school quanto a mais nova! Compre sem medo! Nota: 9,0


Review: Tarja – Luna Park Ride

(Gravadora: Shinigami Records)

Por Pedro Humangous

Até hoje eu não me decidi se gostei da saída da Tarja do Nightwish ou não. A carreira de ambos, já estabilizada, decolou ainda mais e hoje temos duas grandes bandas. A Tarja foi menos ousada em sua carreira solo e procurou caminhos mais, digamos, seguros e tradicionais. Isso fez com que ela alcançasse um público mais diverso e ainda maior. A cantora finlandesa casou-se com um argentino e talvez por isso ela tenha escolhido o país para gravar seu DVD. A casa de show Luna Park é excelente para gravações de grandes eventos, esse foi o mesmo lugar que o Dream Theater gravou seu DVD recentemente. De qualquer forma, o público argentino é apaixonado por Heavy Metal e, como podemos ver nesse registro, também adoram o trabalho da Tarja. A casa estava lotada e acompanhou um verdadeiro show da musa. Tarja estava muito bem acompanhada nessa turnê, com músicos de primeira linha que executaram todas as músicas de forma impressionante, tudo muito perfeito. Destaque para o baterista Mike Terrana, que simplesmente espancou seu kit, dando mais punch e personalidade ao som. Outro destaque importante foi o timbre animal das guitarras, bem pesados e com baixa afinação, ficou bem legal ao vivo. A voz, a beleza e a performance de Tarja continuam intactos, sempre muito simpática, dava pra ver a felicidade dela em estar ali. O track list foi todo focado em sua carreira solo obviamente, mas os fãs de Nightwish puderam matar um pouco da saudade com “Stargazers” e “Wishmaster”, que fechou o show de forma brilhante.  Tanto o DVD quanto o CD (vendidos separadamente) vieram recheados de extras, como as gravações no Masters Of Rock (República Tcheca), Tele-Club (Rússia) Summer Breeze Open Air (Alemanha) e Wacken (Alemanha). Um material completíssimo e de qualidade, perfeito para amantes de boa música. Nota: 8,0


Track List: 
1. Dark Star 2. My Little Phoenix 3. The Crying Moon 4. I Walk Alone 5. Falling Awake 6. Signos 7. Little Lies 8. Underneath 9. Stargazers 10. Ciarán s Well 11. In for a Kill 12. Where Were You Last Night / Heaven Is a Place on Earth / Livin on a Prayer 13. Die Alive 14. Until My Last Breath 15. Wishmaster

Bonus Material: 
Masters of Rock 2010, Vizovice, Czech Republic: . In for a Kill . I Walk Alone . The Archive of Lost Dreams . Crimson Deep

Summer Breeze Open Air 2011, Dinkelsbuhl, Germany: . I Feel Immortal . The Siren . Until My Last Breath

Tele-Club 2014, Yekaterinburg, Russia: . 500 Letters . Damned and Divine . Neverlight

Wacken Open Air 2014, Wacken, Germany: . Anteroom of Death (With Van Canto)

Summer Breeze Open Air 2014, Dinkelsbuhl, Germany: . Never Enough . Die Alive . Victim of Ritual

Contato: https://www.facebook.com/tarjaofficial

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Dicas! Dicas! Dicas!

O tempo todo me pedem dicas de bandas novas para ouvir. Existem TANTAS opções incríveis que nem sei por onde começar quando me questionam isso. Um dos meus passatempos favoritos é navegar pelos vídeos recomendados do youtube. Vai clicando, clicando e as possibilidades são infinitas. Selecionei apenas algumas boas bandas que me deparei nos últimos dias, espero ajudar a todos que estão em busca de novos sons!












domingo, 1 de maio de 2016

Review: Unleashed – Dawn Of The Nine


Por Pedro Humangous

Sabe aquela birra que pegamos de algo ou de alguém, sem o menor motivo aparente? Pois é, esse sempre foi meu caso com a banda Unleashed. Nunca me dispus a ouvir um álbum deles, algo me afastava da banda e, até então, não havia colocado nenhum trabalho deles para ouvir. E como é bom quebrar a cara nesses casos. Arrependido do tempo que perdi, comecei a ouvir a discografia deles de trás pra frente, começando por esse maravilhoso “Dawn Of The Nine”, que acaba de ser lançado no mercado brasileiro através da ótima parceria entre a Nuclear Blast e a Shinigami Records. O álbum já começa bem só pela linda arte da capa, feita por ninguém menos que Par Olofsson. O legal da sonoridade deles é essa mistura do Death Metal old school, tradicionalíssimo, com aquela pegada do Metal sueco no estilão Dismember e Entombed, mas adicionando uma pitada viking nos riffs e na temática das composições. O legal ainda é poder conferir nuances de Thrash, Doom e Black Metal em certos momentos, tornando a audição ainda mais prazerosa. As guitarras e seus riffs grudam no cérebro com extrema facilidade, os solos são de tirar o fôlego, a bateria soube dosar muito bem os momentos mais cadenciados e os ultra velozes e técnicos. O vocal de Johnny é um show à parte, um gutural tão forte que chamaria de “grito de guerra”. Na mixagem, gostei muito de como deixaram o baixo bem pesado e presente, dando aquela cara de som ao vivo, quando o baixo e a bateria fuzilam seu peito. A qualidade de gravação está animal também, tudo encaixado em seu devido lugar, sendo tudo cristalino, mas sem perder a potência que o estilo pede. As músicas, apesar de aparentemente simples, transbordam feeling e honestidade em cada nota tocada, você sente o poder dessas composições, quase um chamado para o campo de batalha! Convido a todos para essa audição matadora que é “Dawn Of The Nine”, um álbum incrível que, definitivamente, merece sua atenção! Nota: 8,5


Review: Fleshgod Apocalypse – King


Por Pedro Humangous

Quase não acreditei quando soube que o novo álbum dos italianos do Fleshgod Apocalypse seria lançado no Brasil. A parceria entre a Nuclear Blast e a Shinigami tem rendido excelentes frutos para o mercado nacional. “King” é o quarto trabalho na brilhante carreira da banda, que cresce mais a cada novo lançamento. O grupo se firma como um dos grandes nomes do cenário mundial, sendo uma das bandas mais inovadoras da atualidade. Acredito que seja dispensável apresentar a banda, mas para aos desavisados que ainda não pararam para ouvi-los, estamos diante de uma banda super extrema e técnica, que abusa do Death Metal veloz e agressivo, sem deixar de lado seu lado melódico e principalmente transbordando as composições com orquestrações. Li várias resenhas comparando o som deles ao de bandas como Septicflesh e Dimmu Borgir, mas me desculpem, em nada se parecem com o Fleshgod Apocalyspe. O que temos aqui é único. As músicas são belíssimas, mesmo em forma tão maléfica, são como uma trilha sonora do fim do mundo. As orquestrações e os coros de vozes são hipnóticos e muito bem trabalhados para que se encaixem perfeitamente ao instrumental, sem sobrepor, mas sendo uma das principais peças desse quebra cabeça. Dois pontos que merecem destaque são os absurdos vocais de Tommaso Riccardi (que também assume as guitarras) responsável pelos cavernosos guturais e Paolo Rossi (baixista) que canta as partes limpas, além das linhas inacreditáveis de bateria – gravadas pelo guitarrista Francesco Paoli. O álbum é composto por doze faixas, todas empolgantes, velozes e matadoras, graças à boa produção, mixagem e masterização – essas duas últimas atribuições dadas ao experiente sueco Jens Bogren. O encarte e a capa são um capítulo à parte, uma verdadeira obra de arte feita por Eliran Kantor. Um álbum incrível de ponta a ponta, empolgante e viciante, como todo disco de Metal deve ser! Nota: 9,0


Review: Lost Society – Braindead

Gravadora: Nuclear Blast / Shinigami Records


Por Pedro Humangous

Legal ver a mutação e as fases que o Thrash Metal passa ao longo dos anos. Tivemos os grandes nomes criando o estilo na década de 80, depois a onda dos "revival" (revivendo exatamente essa época, nos dias atuais) e então vivemos os tempos do Thrash moderno. Os finlandeses do Lost Society são um dos grandes nomes da cena Thrash mundial, ganhando bastante reconhecimento através dos seus dois últimos lançamentos, muito bem recebidos pela crítica e pelos fãs. Porém, agora em “Braindead”, os caras inovaram e se reinventaram, adicionando coisas novas ao seu som, trazendo novos temperos ao prato principal. Ao invés de seguirem as mesmas fórmulas, já batidas, o grupo resolveu adicionar um pouco de Groove, umas pitadas de NWOBHM, sem esquecer o bom e velho Thrash que faz a alegria dos maníacos. É como jogar Exodus, Iron Maiden e Rage Against The Machine em um triturador, o resultado é o Lost Society. Ao invés de soltarem o caminhão sem freio na descida, resolveram tirar o pé do acelerador um pouco e dosar as doses de velocidade com momentos mais cadenciados, tornando a audição muito mais dinâmica e divertida. Através de riffs memoráveis, todas as nove faixas empolgam do começo ao fim, apesar da pouca idade dos integrantes, suas composições demonstram maturidade e seriedade de banda veterana. A gravação está sensacional, um álbum muito bem produzido, refletindo o bom trabalho que a banda desenvolveu em estúdio. Extremamente satisfeito e feliz com o direcionamento que a banda tomou, certamente um dos melhores trabalhos de sua carreira e do ano. Se ainda tinha dúvidas sobre a qualidade do Lost Society, seu medo acabou. Nota: 8,5


domingo, 24 de abril de 2016

Review: Circle II Circle – Reign Of Darkness

(Gravadora: Shinigami Records)

Por Pedro Humangous

Estranho como algumas boas bandas nunca recebem o devido reconhecimento. Tenho uma lista extensa de exemplos para citar e acredito que, infelizmente, você também. Sempre vi o Circle II Circle nessa triste realidade, uma banda consistente, com uma discografia interessante, porém, nunca foi a preferida dos bangers. Apesar da nítida competência, é fato que o som da banda carece de algo a mais, o problema é definir exatamente o que. Parece um belo prato de comida, com todos os ingredientes, mas com falta de tempero. “Reign Of Darkness”é o sétimo álbum na carreira do grupo e o mais brasileiro de todos. Além dos experientes Zak Stevens (vocal), Mitch Stewart (baixo e vocais), Christian Wentz (guitarras e vocais) e Henning Wanner (teclados e vocais), temos os brasileiros Marcelo Moreira na bateria (ex-Almah, Burning Hell) e Bill Hudson nas guitarras. Além disso, a bela e obscura capa foi feita por João Duarte. As músicas são todas perfeitas, com um timbre bem legal das guitarras (mais pesadas do que de costume), teclados bem presentes e encaixados de forma inteligente, uma bateria insana (aquele pedal duplo que bate no peito) e um baixo super encorpado, com linhas audíveis e interessantes. O vocal de Zak dispensa comentários, potente na medida certa. Acho que faltou mesmo foram refrãos mais bem trabalhados, mais interessantes e pegajosos. As composições não embalam, demoram a empolgar e carecem de mais velocidade – ficam em sua maioria naquele mid tempo. As onze faixas passeiam pelo Hard Rock e Metal, esbanjando seriedade e maturidade, com um leve toque de obscuridade nas composições. As que mais gostei foram “Over-Undertune”, “Ghost Of The Devil” e “Somewhere”. Não é um trabalho ruim, de forma alguma, porém, ainda falta um bocado pra se tornar indispensável e memorável. Indicado para os saudosos fãs de Savatage e da própria carreira do Circle II Circle. Nota: 7,0 


Review: Swords At Hymns – Autumnal Introspections


Por Pedro Humangous

Talvez o frio do sul do país tenha uma relação direta com o som extremo das bandas que surgem de lá. Direto da serra gaúcha somos brindados com o novo trabalho da banda Swords At Hymns, intitulado “Autumnal Introspections”. Formado por Leonardo Goulart (vocais e baixo), Maicon Ristow (vocais guitarras e teclados), Andre Lazzarotto (guitarras) e Mateus Perotti (bateria), o grupo apresenta uma sonoridade incrível, atmosférica, gélida e introspectiva. Gostei bastante da mistura bem dosada entre o Black Metal, o Doom e o Melodic Death Metal. O trabalho foi lançado no final do ano passado através da gravadora Sulphur Records, sendo considerado por muitos como um dos melhores registros do ano. As sete composições transbordam uma diversidade de sentimentos, levando o ouvinte a uma viagem incrível, repleta de transições e sensações. A base do som é o Metal Extremo, principalmente o Black Metal (graças ao estilo do vocal), mas não deixam de lado as belas melodias e os momentos mais calmos, quase Folk – os teclados e violões ajudam bastante. O lado Doom traz a cadência no ritmo, traz aquela essência de algo mais contemplativo e triste – mas do lado bom da coisa, se é que me entende. Destaque para as faixas “At The Winter’s Gate”, “Lord Of The Ancient Times” e “Beyond This Tombstone”, essa última com participação de Fernando Troian, vocalista da banda Patria. A linda capa foi feita pelo experiente e renomado artista Marcelo Vasco. Um belíssimo registro para os fãs da arte obscura, altamente recomendado! Nota: 8,5


Review: Visceral Slaughter – Hell On Earth


Por Pedro Humangous

Após uma intro divertida e pra lá de bizarra, o buraco do inferno se abre na terra e começa mais um disco da banda Visceral Slaughter! “Hell On Earth” é o segundo registro desses amapaenses e foi lançado pela One Eye Records e mais uma pancada de outros selos, trazendo oito faixas do mais puro e desgracento Death Metal, ríspido, técnico e veloz! A maravilhosa arte da capa, feita por Rafael Tavares, infelizmente perdeu muito do seu destaque devido à impressão que deixou tudo muito escuro. Outro problema grave foi a produção e mixagem do disco, acabou ficando com um som estranho, abafado e tirando a potencia dos instrumentos. O vocal, animalesco por sinal, ficou muito alto em relação ao instrumental, a guitarra ficou seca e a bateria enterrada. A qualidade das composições, por sua vez, é incrível, um Death Metal de primeira linha, muito bem feito e empolgante, uma pena a produção ter errado a mão. As músicas lembraram uma mistura de Krisiun com Vader, mas obviamente longe de soar como uma cópia. Ao terminar a audição do álbum, me senti completamente atordoado, fuzilado pelas linhas insanas e incansáveis da bateria, atropelado pela massa sonora produzida pelas guitarras e pelo baixo – tudo muito intenso aqui. Os caras tem muito potencial para se tornarem um dos grandes nomes do estilo, não só no Brasil, mas no mundo todo. Só precisam ajustar melhor seu som na hora de gravar e estarem atentos aos cuidados com a parte gráfica. Não basta ter ótimas músicas se o produto final não acompanha a mesma qualidade. Vale ficar de olho nesses caras! Nota: 7,0


sexta-feira, 22 de abril de 2016

Review: Deep Purple - “...To The Rising Sun” - CD e DVD

(Gravadora: Shinigami Records)

Por Pedro Humangous

Que momento de alegria vive o fã do Deep Purple e do bom e velho Rock/Metal! A Shinigami Records, com lançamentos cada vez melhores no mercado nacional, lançou recentemente, nada mais, nada menos, do que dois CDs duplos e dois DVDs da banda! O conjunto todo é vendido separadamente, porém, o pacote completo é lindo de ver (e ouvir). Deixa qualquer coleção que se preze mais bonita e completa. Recentemente resenhei (aqui) o “From The Setting Sun...” (gravado no festival Wacken, Alemanha) e agora temos o “...To The Rising Sun”, gravado no lendário Budokan, em Tóquio. Percebe como um título complementa o outro? Em termos de set list, temos praticamente a mesma coisa, com pequenas diferenças entre um e outro. A apresentação, como de costume, é memorável, de arrancar lágrimas e cabelos de quem assiste – sorte de quem pôde ver isso ao vivo. A qualidade de imagem e áudio estão impecáveis, como de costume, a diferença notável mesmo é o público, muito mais contido aqui nesse registro. Mas isso não tira o brilho da apresentação, do palco, das dezenas de câmeras utilizadas, dando uma ótima dinâmica para o telespectador. Mais um lançamento acertado pela gravadora e totalmente indispensável para qualquer fã do bom e velho Rock’N’Roll! Para os fãs da banda, nem se fala, obrigatório! Nota: 9,0


Track List: 
1. Après Vous
2. Into the Fire
3. Hard Lovin Man
4. Strange Kind of Woman
5. Vincent Price
6. Contact Lost
7. Uncommon Man
8. The Well-Dressed Guitar
9. The Mule
10. Above and Beyond
11. Lazy
12. Hell to Pay
13. Don Airey s Keyboard Solo
14. Perfect Strangers
15. Space Truckin
16. Smoke on the Water
17. Hush (Billy Joe Royal cover)
18. Black Night

Contato: http://www.deeppurple.com/

Adquira o CD AQUI
Adquira o DVD AQUI

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Review: Woslom – A Near Life Experience


Por Pedro Humangous

Orgulho define o sentimento que sentimos ao ouvir mais um disco da banda brasileira Woslom. Sim, uma banda nacional, cada vez mais com um nível de excelência e maturidade dos grandes nomes mundiais, com cara de coisa gringa mesmo. A capa já impacta logo de cara, uma arte maravilhosa, lembrando os clássicos do Thrash dos anos 80. Mas se engana quem pensa que seu som soa datado, seguindo a moda recente de reviver a década de ouro do estilo. Pelo contrário, apesar das nítidas influências, os caras apostam em um som moderno e atual – o mais legal é poder sentir ao mesmo tempo a nostalgia e o clima de novidade. As nove faixas que compõem esse disco simplesmente exalam o Thrash Metal americano, é Bay Area puro, impossível não se lembrar de Exodus e Testament! Gostei muito da mixagem nesse trabalho, ficou tudo muito animal e impactante, dá pra ouvir o baixo com nitidez, o timbre da bateria está fantástico, os vocais bem encaixados e balanceados e as guitarras incríveis! Aliás, a dupla de guitarristas Silvano Aguilera (que também assume os vocais) e Rafael Iak estava inspiradíssima, desfilando suas técnicas apuradas e o bom gosto em solos absurdos e riffs viciantes – principalmente quando resolvem fazer as “guitarras gêmeas”, dando aquela cara de Iron Maiden com Metallica. Eu praticamente não acreditava no que ouvia, logo nas primeiras duas faixas, já estava embasbacado. Estamos diante de uma das melhores bandas do estilo no Brasil, sem exageros. Legal ver que se preocuparam em deixar as músicas agressivas, porém bastante acessíveis, com refrãos pegajosos e mudanças de ritmo que prendem o ouvinte do início ao fim. Pra fechar, escolheram uma ótima banda para fazer um cover, “Thrasher’s Return” do grande Bywar. Todas as músicas ficaram incríveis, mas destaco a monstruosa “Lords Of War”, com sua intro no melhor estilo Slayer de ser, contando com passagens insanas de Death Metal do meio pro final. Ao terminar de ouvir o disco, o jeito é levantar e aplaudir, pois um trabalho desses merece! Nota: 9,5


Gravadora: Shinigami Records

Será??

Será que esse ano teremos mais uma edição da Metting Hell?

Ou será que a Hell Divine retoma suas atividades?

Será que teremos camisetas novas? Ou quem sabe patches personalizados?

Fiquem de olho em nossos canais para acompanhar todas as nossas novidades!

GO TO HELL!!

Review: Soilwork – The Ride Majestic


Por Pedro Humangous

Se existe uma banda que eleva nosso espírito e traz o sorriso estampado em nossas faces logo nos primeiros segundos de música, essa é o Soilwork! Essa mistura agradável do super melódico com o extremo agrada em cheio e consegue satisfazer os mais exigentes públicos de ambos os gêneros. Uma banda que vem crescendo exponencialmente ao longo dos anos, nunca deixou a peteca cair e surpreende a cada novo álbum lançado. E não é diferente agora com o majestoso (desculpem o trocadilho) “The Ride Majestic”. O vocalista, Björn "Speed" Strid, está simplesmente insano em sua performance nesse trabalho, mandando uns guturais rasgados de arrepiar, isso sem falar nos vocais mais limpos, cheios de drive e belas melodias. As guitarras então, sem comentários, agressivas e com um timbre maravilhoso. Gostei bastante da essência Black Metal que utilizaram na faixa “Alight In The Aftermath”, deu um toque especial à composição. Alguns experimentalismos ainda incomodam os ouvidos, como “Death In General”, repleta de altos e baixos, acaba sendo uma faixa mediana. Uma das coisas que me chamou bastante a atenção foram as linhas do baterista Dirk Verbeuren, bastante criativo e arrojado, sem medo de descer a mão e abusar dos blast beats. A produção e gravação estão incríveis, tudo cristalino e bem encaixado – méritos para David Castillo e para o experiente Jens Bogren que mixou e masterizou o disco. Sobre a arte da capa, achei bastante insossa, bonita, mas sem grandes atrativos, principalmente se comparada aos grandes trabalhos artísticos que temos visto estampando as capas dos discos ultimamente. Discordo da maioria que insiste em dizer que a banda perdeu seu peso e velocidade, acredito que eles canalizaram melhor esses atributos e trouxeram uma roupagem mais madura, porém, o conteúdo continua ali, intacto. É fato que focaram mais na construção das músicas, em linhas complexas de guitarra, trazendo mais melodia e momentos mais calmos do que outrora. Nem por isso deixa de ser um excelente lançamento, importante para compor essa invejável discografia. Nota: 8,5


Gravadora: Nuclear Blast / Shinigami Records

quinta-feira, 31 de março de 2016

Review: Worst – Instinto Ruim


Por Pedro Humangous

Se tem uma coisa que admiro é o Hardcore feito no Brasil. Dá pra sentir a sinceridade dos caras nas letras, a ira das guitarras, a pancada na batera e as chibatadas das cordas do baixo. “Instinto Ruim” já é o terceiro álbum da banda Worst, que, ao contrário do nome, são um dos melhores no estilo em nosso país. É notória a evolução a cada disco lançado, fortificando sua reputação, ganhando novos admiradores e fiéis seguidores. O fato de cantarem em português já ajuda muito no entendimento das mensagens, todas fortes e impactantes, fazendo quase que automaticamente o punho cerrado e o ódio no olhar tomem conta de nossas almas. O som não tem frescuras, é ríspido, direto e devastador. Gostei muito da produção desse material, a qualidade de gravação está ótima, bela mixagem e timbragem dos instrumentos. Os vocais rasgados de Thiago Monstrinho trazem aquele clima de agonia e pressa, praticamente cuspindo palavras raivosas em nossos ouvidos que sangram com cada batida do baterista Fernando Schaefer. As guitarras de Tiago Hospede e o baixo de Ricardo Brigas caminham juntos feito dois tanques de guerra, com tiros certeiros em forma de riffs. Temos algumas participações especiais como a do Fábio Figueiredo (John Wayne) na faixa “Precipício” e de Billy Graziadei (Biohazard), Carl Schwartz (First Blood) e Mathias Tarnath (Nasty) na faixa bônus “Urban Discipline” – uma das duas cantadas em inglês no disco, a outra é a ótima “Right To Kill”. A arte gráfica (tanto a capa quanto o encarte) é bem simples e sóbria, sem grandes atrativos, mas passa o recado logo de cara. Se essa é sua praia, “Instinto Ruim” é mais do que recomendado. Se ainda não é, tá mais do que na hora de descer a serra e ganhar um bronzeado. Nota: 8,5


Review: W.A.S.P. – Dominator


Por Pedro Humangous

No Brasil, o disco é novo, porém, o lançamento é de 2007. Graças à Shinigami Records, finalmente temos à disposição “Dominator”, décimo terceiro álbum da banda americana W.A.S.P. Sabemos que a banda nunca foi unanimidade entre a legião headbanger, mas tem sim seus fiéis seguidores. E sim, a banda é muito competente e empolgante. Alguns trabalhos anteriores a esse foram muito questionados pelo direcionamento que estavam tomando e “Dominator” foi basicamente um retorno às raízes, mas cru e direto. O que temos aqui é um Hard/Heavy de altíssima qualidade, guitarras super afiadas, vocais e refrões incríveis. Blackie Lawless, eterno líder do grupo, faz um ótimo trabalho nas guitarras e nos vocais, além de teclados muito bem encaixados aqui e ali. O cara é um gênio, ficou responsável por todas as composições, letras e produção do disco. E o álbum está todo bem legal, homogêneo, ou seja, você curte do início ao fim. Os refrões grudam na cabeça com extrema facilidade, daqueles que logo na primeira ouvida já sai cantarolando por ai o dia todo! Minhas favoritas são “Long, Long Way To Go”, “The Burning Man (uma das melhores!) e “Teacher”. Pra você que não conhece muito bem o W.A.S.P., eu faria uma comparação grosseira como uma mistura de Scorpions e Axel Rudi Pell. Mesmo as baladas, que não curto tanto, ficaram legais aqui nesse trabalho, conseguiram dosar bem a parte melosa com o poder do Metal – devem ficar excelentes para cantar junto nos shows! Já arte da capa achei “meia boca”, não é feia, mas também não traz nada demais – pelo menos ela completa a temática do disco e suas letras. O álbum pode não ser um clássico ou um primor do Metal mundial, mas certamente garante horas de diversão e boa música! Nota: 8,0


Track List:
01. Mercy
02. Long, Long Way To Go
03. Take Me Up
04. The Burning Man
05. Heaven's Hung In Black
06. Heaven's Blessed
07. Teacher
08. Heaven's Hung In Black (Reprise)
09. Deal With The Devil